Header Ads

“A NOVELA CONTINUA”... NÃO HÁ UM PRAZO PARA ACORDO ENTRE SBT, RECORD, REDETV E OPERADORAS DE TV PAGA - 16/03/17


Não há um estabelecido prazo para que haja um acordo entre as operadoras de TV paga e a Simba Content – joint-venture criada para negociar o sinal da Record, do SBT e da RedeTV. No entanto, a expectativa é que exista, pelo menos, uma negociação em curso no dia 29 de março, quando serão desligados os sinais analógicos da TV aberta na cidade de São Paulo. "Não vamos fornecer conteúdo de forma gratuita, mas, havendo uma negociação em curso, vamos ser razoáveis", diz Marco Gonçalves, contratado pela joint-venture para liderar as negociações com as operadoras. "Se alguém não quiser sentar para negociar, não vamos oferecer o sinal", completou o executivo em entrevista a TELA VIVA.

Segundo Gonçalves, as primeiras reuniões foram marcadas para esta semana e a próxima. Ele não revela qual é o faturamento pretendido pelas três redes. No entanto, aponta que há uma expectativa de chegar a um valor próximo ao oferecido pelo sinal da Globo, que é comercializado pela Globosat. "Esperamos chegar a um valor que remunere o conteúdo, não tem uma tabela. Vamos conversar e ver o que é pago pelos outros canais da mesma qualidade. Sabemos como funciona o pacote da Globosat e quanto vai para Globo. Sabemos também que o valor pago à Globo não é o que dizem que é", diz.

De acordo com Gonçalves, o modelo de empacotamento da TV por assinatura não é justo e tem os seus dias contados. "O modelo da TV paga tem sido pacote por muito tempo. É um PF que não permite ao consumidor trocar uma cenoura pelo brócolis", diz o executivo.

No entanto, Gonçalves diz que a Simba vai negociar os três canais empacotados e não deve aceitar a comercialização a lá carte. Além dos três canais, a negociação já deve prever um quarto canal, que seria criado pela própria programadora.

Por decisão do Cade, pelo menos 20% do faturamento da Simba deverá ser aplicado na produção de novos conteúdos, que podem ser empacotados, em conjunto com conteúdos licenciados.

Gonçalves não descarta o licenciamento de conteúdo dos três canais também para os serviços de VOD das próprias operadoras.

Numa próxima etapa, a Simba se aproximará da produção independente de conteúdo para licenciar conteúdos prontos e criar novos conteúdos. Por enquanto, não há uma estrutura para receber propostas de conteúdo e se relacionar com as produtoras.

"A empresa está sendo montada – ainda é uma startup. Fui contratado apenas para a negociação (de distribuição). No futuro virão um CEO e os departamentos comercial, financeiro, de programação etc.

A regra do must carry, que obriga as operadoras de TV a carregar e os canais a ceder os sinais da TV aberta, vale para os canais analógicos da radiodifusão aberta. No caso dos canais digitais, a regra é diferente: os canais abertos não são obrigados a ceder a programação gratuitamente, mas podem exigir o carregamento do sinal, desde que não cobrem por ele. A Simba foi criada para negociar em conjunto a programação das três redes.

Fonte: O Universo da TV
BROTHERS DO AZ

Um comentário:

  1. tenho OI TV no conta total e o sinal destas emissoras para mim não faz diferença, pois também possuo um Duosat Troy S na parabólica no C3 pego record band e sbt do meu estado e de muitos outros, pra quê vou entrar nesta briga, sem contar que que tem sistema pago em casa pouco utiliza estes canais, meus filhos preferem Fox, Discovery, TruTV, Fish TV e canais de esportes SBT só a novela infantil e Record para noticiários, rede bobo só se estiver passando meu time e olhe lá já que tenho premiere

    ResponderExcluir

Imagens de tema por zbindere. Tecnologia do Blogger.